Precisamos falar sobre a divida publica do Brasil!

Muitos governos como os do PT fizeram ações de uma forma que a população pensou que o país não tinha mais dividas. Durante o mandato do ex presidente Lula, ele trocou divida externa que tinha uma taxa baixa para divida interna, com uma taxa de juros maior. E saiu anunciando nos quatro cantos do país que o Brasil pagou a divida externa, só não comentou que apenas “trocou” a divida, justiça seja feita, a divida publica existe há décadas no Brasil, não foi criada pelo PT, porém, mais que dobrou nos últimos dez anos, logicamente em virtude de corrupção e ações políticas macroeconomias desastrosas.

Fato que no inicio do governo do Michel Temer e agora do Jair Bolsonaro, a tendência de elevação da divida que passou dos 4 trilhões de reais esta caindo e em alguns anos tende a não aumentar mais nada. Estagnar ou reduzir de forma lenta. Coisas boas foram feitas, Teto dos gastos, forçando os gestores de recursos a trabalhar para que ele seja melhor investido, como todos sabemos dinheiro tem, falta gerir e não roubar e reduzir privilégios e abusos.

Como também, reforma da previdência que já começa a dar frutos agora em 2020 reduzindo o déficit previdenciário, com o aumento do emprego mais pessoas volta e ativa pagando FGTS e colabora ainda mais neste processo. Com a queda na taxa de juros, rolar a divida fica um pouco mais barata e o governo tende a gastar menos com juros.

Então, para acelerarmos este ciclo virtuoso, reduzindo a divida, logo, valores gastos mensalmente com juros será reduzido ainda mais. Desta forma, sobrará mais recursos para ser dividido em areas que precisamos urgentemente como infraestrutura, saúde, educação e segurança e todas as outras. rs

Acredito que tem duas ações que poderia ajudar demais a dar uma acelerada na redução da divida.

Primeira ação, utilizar os mais de 220 bilhões de reais em fundos que tem gastos específicos apenas, mas, que esta sub utilizados ou seja “Parado”, para poder pagar a duvida de preferência a que tiver a maior taxa. Esta ação foi proposta ano passado pelo Ministro Paulo Guedes.

A segunda ação, vale a pena mesmo que muitos economistas e países possam criticar, pegar por exemplo 150 bilhões de dólares das reservas internacionais que o país mentem, vender e pagar a duvida em reais, mesmo que seja em lotes para não forçar uma queda do real bruscamente. Mas, na cotação atual em media estes 150 bi de dólares pagaria mais de 630 bilhões de reais da divida publica, assim, estaríamos reduzindo para em media 3 trilhões a divida publica com dinheiro que já temos. Ou seja, sem criar impostos ou sacrificar a população.

Para quem não sabe o rendimento que recebemos para manter a reserva internacional em dólares e muito baixa e o juros que pagamos internamente em real e muito elevado. No final das contas, apenas estes 880 Bilhões reduzido terá uma sobra anual de bilhões de reais de juros que o governo deixará de pagar, rolaremos uma duvida menor, a nota de credito de investimento voltará ainda mais rápido para o Brasil e todo o ciclo de crescimento vem ainda mais acelerado.

Acredito que a venda de estatais e usar o dinheiro para pagar a divida direto e não juros ajudará demais, temos mais alguns bilhões em estatais para ser ganho.

Após a duvida cair, temos que ter regras e leis mais fortes para não ocorrer o crescimento da divida de forma desenfreada assim novamente como ocorreu tão recente. Assim como nós não podemos trabalhar no vermelho o governo também não pode!

Nós brasileiros temos que entender que não existe dinheiro grátis o governo sempre que dá, esta tirando de alguém ou criando divida, que no final das contas, sempre sobra para nós pagar e sofre sempre quem tem menos já que os que tem mais, empresta pro governo e vive ganhando rendimentos. Para quem tem sobrando, vale a pena emprestar e ganhar não sou contra, faz parte do jogo, mas, infelizmente o jogo ficou muito cruel para a nação, temos que mudar o ritmo urgente.

Visits: 734

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.